Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2010

O Prêmio Sebrae Mulher de Negócios (PSMN) reconhece, em nível estadual, regional e nacional, histórias de mulheres de negócio, que transformaram seus sonhos em realidade. Espera-se que as experiências premiadas inspirem a outras mulheres a se tornarem empreendedoras.
A premiação é realizada pelo Sebrae, SPM – Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, BPW Brasil e FNQ – Fundação Nacional da Qualidade.

Requisitos para participar

O prêmio é dirigido a mulheres empreendedoras com mais de 18 anos que sejam proprietárias de micro e pequenas empresas ou membros de cooperativas e associações de pequenos negócios produtivos com geração de trabalho e renda.
As empresas, cooperativas ou associações deverão estar formalmente estabelecidas há pelo menos um ano de exercício fiscal. O faturamento anual máximo é de até R$ 2.400.000,00. O domicílio fiscal deve ser no estado em que estiver concorrendo.
Categorias

O PSMN premiará mulheres em duas categorias:
a) Pequenos Negócios (proprietárias de micro e pequenas empresas);
b) Negócios Coletivos (mulheres membros de grupos de produção formal, compreendendo cooperativas e associações de pequenos negócios produtivos com geração de trabalho e renda)
Inscrições e premiação

As inscrições se encerram no dia 15 de setembro de 2010. Para participar, acesse www.mulherdenegocios.sebrae.com.br.
Duas mulheres empreendedoras, uma de cada categoria, serão premiadas em nível nacional. As vencedoras nacionais participarão de uma missão internacional e poderão fazer cursos no Sebrae para projetar o desempenho do seu negócio.
Para saber mais sobre a premiação nos níveis estadual e regional, acesse o regulamento.

 

Site: http://www.mulherdenegocios.sebrae.com.br/

Inscrição: http://www.mulherdenegocios.sebrae.com.br/cadastro/default.aspx

Anúncios

Prêmio Técnico Empreendedor

Este prêmio lançado em 2002 visa estimular, reconhecer, premiar e divulgar as atividades de empreendedorismo e cooperativismo desenvolvidas pelos alunos dos cursos técnicos das Instituições de Educação Profissional e Tecnológica. 
Essas práticas empreendedoras e cooperativistas se caracterizam como soluções técnicas e tecnológicas com possibilidade de se transformar em “negócio” executável pelos alunos, apresentadas em um Projeto, sob a orientação de um professor e que comprovadamente contribuam com o processo de desenvolvimento sócio-econômico de suas comunidades. 
O prêmio é fruto de uma parceira entre o Ministério da Educação – MEC, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE 

Temas:


• Livre: Projetos com ações voltadas para o desenvolvimento sócio econômico local.

• Inclusão Social: Projetos voltados para pessoas, grupos ou comunidades específicas, arranjos produtivos locais ou minorias, objetivando sua inserção social, profissional ou econômica, gerando trabalho ou renda.

• Cooperativismo:
Projetos inovadores que proporcionem sua viabilização por meio de cooperativas, ou que atendam suas reais necessidades, e que visem a organização, a gestão, a expansão e o fortalecimento de cooperativas já existentes e do cooperativismo geral.

No Prêmio Técnico Empreendedor todos ganham: quem participa e quem apóia.

Etapa Regional

I – Projetos Classificados

As equipes responsáveis pelos três melhores projetos de cada tema por categoria na Etapa Regional receberão:

· Certificado de reconhecimento pela classificação;

· R$ 2.000,00 que serão rateados pelos membros da equipe e professor-orientador.

Etapa Nacional

I – Projetos Vencedores

· Os três melhores projetos, de cada categoria e respectivo tema, que obtiverem as melhores pontuações serão premiados conforme indicação a seguir:

COLOCAÇÃO

PRÊMIO

CERTIFICADO + TROFÉU

R$ 8.000,00

Certificado de 1º Colocado no Prêmio Técnico Empreendedor + troféu

R$ 6.000,00

Certificado de 2º Colocado no Prêmio Técnico Empreendedor + troféu

R$ 4.000,00

Certificado de 3º Colocado no Prêmio Técnico Empreendedor + troféu

Obs1: Os valores indicados na tabela acima deverão ser divididos igualmente entre os membros da equipe.

Obs2: o pagamento do Prêmio será efetuado pelo MEC.

Obs3: As instituições correspondentes às equipes vencedoras receberão o troféu “Prêmio Técnico Empreendedor”.

Obs4: Cada aluno receberá o seu certificado e cada equipe receberá 1 troféu.

Inscrições e entrega dos projetos até 31 de agosto de 2010, no SEBRAE local mais próximo da sua instituição.

Acesse o Edital

Mais informações SEBRAE

Liderando Líderes – O Fator Humano

Os líderes devem ter o bom caráter para tomar decisões difíceis e ter paixão e capacidade para inspirar sua equipe e avançar sobre tempos difíceis.
Nossos melhores CEOs tendem a ser não se preocuparem com o tamanho de seu escritório ou com a espessura do tapete.

  • PERCEBA QUE OS EMPREGADOS SÃO O NEGÓCIO
  • PROCURE O MELHOR NAS PESSOAS – FAÇA ELOGIOS, NUNCA CRÍTICAS
  • NÃO SE LEVE MUITO A SÉRIO
  • APENAS FAÇA

Veja conteúdo completo no site “Liderando Líderes”…

Liderança e Poder

* por Tom Coelho

“O poder, em si, não constitui uma garantia moral:

o poderoso pode ter a espada na mão, mas nem por isso é dono do bem.”  (Contardo Calligaris)

grupo05 A liderança é uma competência de caráter relacional, isto é, pressupõe uma relação entre duas ou mais pessoas fundamentada no exercício da influência. A regra é despertar o desejo, o interesse e o entusiasmo no outro a fim de que adote comportamentos ou cumpra tarefas. Além de relacional, a liderança também pode ser situacional, ou seja, determinada pelas circunstâncias.

O poder é o exercício da liderança. Em verdade, inexiste isoladamente, pois o que encontramos são relações de poder. Assim, é notório que se questione: como o poder é exercido por um líder?

Muitos são os estudos acerca dos tipos, bases e fontes de poder. Mencionamos, por exemplo, LIKERT e LIKERT (1979), KRAUSZ (1991), SALAZAR (1998) e ROBBINS (2002), mas ressaltando que todos beberam de alguma forma nos escritos de FRENCH e RAVEN (1959).

Fazendo uma compilação destes estudos, identificamos as seguintes formas de poder:

1. Poder por coerção. Baseia-se na exploração do medo. O líder demonstra que poderá punir o subordinado que não cooperar com suas decisões ou que adotar uma postura de confronto ou indolência. As sanções podem ser desde a delegação de tarefas indesejáveis, passando pela supressão de privilégios, até a obstrução do desenvolvimento do profissional dentro da organização. Pode ser exercido por meio de ameaças verbais ou não verbais, mas devido ao risco de as atitudes do líder serem qualificadas como assédio moral, o mais comum é retaliar o empregado, afastando-o de reuniões e eventos importantes, avaliando seu desempenho desfavoravelmente ou simplesmente demitindo-o.

2. Poder por recompensa. Baseia-se na exploração de interesses. A natureza humana é individualista e, quase sempre, ambiciosa. Ao propor incentivos, prêmios e favores, o líder eleva o comprometimento da equipe, fazendo-a trabalhar mesmo sem supervisão. A recompensa pode ser pecuniária, ou seja, em dinheiro, ou mediante reconhecimento e felicitações públicas. O risco de se usar este expediente como principal artifício para exercício do poder é vincular a motivação das pessoas e sua eficiência a algum tipo de retorno palpável e de curto prazo, inclusive enfraquecendo a autoridade do líder.

3. Poder por competência. Baseia-se no respeito. O líder demonstra possuir conhecimentos e habilidades adequados ao cargo que ocupa, além de atitudes dignas e assertivas. Os subordinados reconhecem esta competência e a respeitam veladamente. Um exemplo fora do mundo corporativo é a aceitação de uma prescrição médica, porque respeitamos o título do médico e seguimos seu receituário mesmo sem conhecer o profissional previamente ou o princípio ativo do medicamento.

4. Poder por legitimidade. Baseia-se na hierarquia. A posição organizacional confere ao líder maior poder quanto mais elevada sua colocação no organograma. É uma autoridade legal e tradicionalmente aceita, porém não necessariamente respeitada. Um exemplo típico é o poder que emana do “filho do dono” que pode ser questionado, embora raramente contestado, se sua inexperiência for evidenciada.

5. Poder por informação. Baseia-se no conhecimento. O líder, por deter a posse ou o acesso a dados e informações privilegiadas, exerce poder sobre pessoas que necessitam destas informações para realizar seus trabalhos. Note-se que o mero acesso a informações valiosas é suficiente para conferir poder a estas pessoas. É o caso das secretárias de altos executivos.

6. Poder por persuasão. Baseia-se na capacidade de sedução. O líder usa de argumentos racionais e/ou emocionais para envolver e convencer seus interlocutores da necessidade ou conveniência de realizarem certas tarefas, aceitarem decisões ou acreditarem em determinados projetos. Trabalha com base em aspectos comportamentais buscando ora inspirar, ora dissuadir os subordinados, de acordo com os objetivos pretendidos.

7. Poder por ligação. Baseia-se em relações. O líder apropria-se de sua rede de relacionamentos para alcançar favores ou evitar desfavores de pessoas influentes. Em tempos de desenvolvimento das chamadas redes sociais, ampliar e usar relações interpessoais constitui vantagem comparativa significativa.

8. Poder por carisma. Baseia-se na exploração da admiração. O líder adota um estilo envolvente, enérgico e positivo e alcança a obediência porque seus liderados simplesmente gostariam de ser como ele. As pessoas imitam-no, copiam-no, admiram-no com a finalidade de identificação.

Dentre todas as categorias apresentadas, não devemos idealizar uma forma de poder específica. Não há certo ou errado. Há o adequado. Em verdade, o mais indicado é que um líder saiba como, onde e quando exercer seu poder de acordo com o perfil dos subordinados, das circunstâncias e de seus objetivos. Assim, o poder carismático ou por recompensa podem proporcionar maior adesão e atração por suas ideias, da mesma maneira que o poder legítimo ou por coerção podem acarretar resistência por parte dos subordinados.

* Tom Coelho é educador, conferencista e escritor com artigos publicados em 15 países. É autor de “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional”, pela Editora Saraiva, e coautor de outros quatro livros. Contatos através do e-mailtomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Via: http://www.profissionaldesucesso.com.br

Diferenças entre Chefe e Líder

empregoOs Chefes empurram – Os líderes puxam
Os Chefes comandam – Os líderes comunicam
Os Chefes são mestres – Os líderes são maestros
Os Chefes são comandantes – Os líderes são treinadores
Os Chefes são os donos da voz mais alta – Os líderes dos ouvidos mais acurados
O Chefe administra – O líder inova
O Chefe é um cópia – O líder é um original
O Chefe mantém – O líder desenvolve
O Chefe focaliza os sistemas e a estrutura – O líder inspira confiança
O Chefe pergunta “como” e “quando” – O líder pergunta “o quê” e “por quê?”
O Chefe convive melhor no “status-quo” – O líder desafia, muda
O Chefe é um bom soldado – O líder é ele mesmo
O Chefe faz a coisa corretamente – O líder faz a coisa certa
O Chefe obtém resultados através das pessoas – O líder desenvolve pessoas e grupos
O Chefe quer segurança e estabilidade – O líder quer desafios
O Chefe busca “status” de vida – O líder privilegia qualidade
Os Chefes são obedientes – Os líderes contestadores
Os Chefes são fazedores – Os líderes criativos
O Chefe veste a camisa da empresa – Os líderes participam dos negócios da empresa.

A genialidade dos líderes não está em obter conquistas pessoais, mas em libertar o talento de outras pessoas!

Fonte: http://almanaquedobem.com

Jogo simula criação de uma empresa

Mercado Virtual

Pesquisadores da Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) desenvolveram um jogo de computador que simula a criação de uma empresa.

Chamado Mercado Virtual, o game foi idealizado para apoiar o ensino em áreas como gestão de empresas, gestão da produção, contabilidade e processo competitivo de mercado, tanto para alunos de cursos de graduação, pós-graduação ou atualização profissional.

O ranking é formado pela análise de cinco indicadores: lucro da jogada, lucro acumulado, participação de mercado, investimento e endividamento. Ganha quem melhor combinar esses fatores. Mais informações sobre o jogo estão no site do Mercado Virtual.